Povo Marubo na Terra Indígena Vale do Javari tem primeira morte confirmada por Covid-19

No último domingo (5/7)  morreu Djalma Marubo vítima da Covid-19. Conhecido por seu povo como Yovêmpa, ancião de 83 anos morava na aldeia Praia, do povo Marubo, no alto curso do rio Ituí. Trata-se da primeira morte de indígena com confirmação de contaminação pelo coronavírus na Terra Indígena Vale do Javari.

A morte de Yovêmpa foi divulgada em nota da Organização das Aldeias Marubo do rio Ituí (OAMI), uma das organizações de base da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja). Confira a nota completa AQUI. Junto com a OAMI e toda a Univaja, o CTI lamenta profundamente a morte de Djalma Marubo, ancião de seu povo.

A OAMI manifesta preocupação com os povos da Terra Indígena Vale do Javari, região com o maior registro de povos indígenas isolados e a presença de povos de recente contato, como os Korubo e os Tsohom Dyapa.

“O rio Ituí onde a covid-19 acabou de avançar é compartilhado entre os Marubo, os Korubo de recente contato que estão no baixo curso e povos indígenas isolados. Se o vírus não for contingenciado imediatamente, poderá chegar e devastar rapidamente outras comunidades Marubo do rio Ituí, exterminar os Korubo de recente contato e os isolados”, diz trecho da nota.

Segundo a OAMI, Djalma Marubo foi contaminado mesmo estando meses sem sair de sua aldeia. Diante da falta de medidas de apoio do governo federal, os Marubo estão evitando deslocamentos, mas  alguns membros da comunidade se deslocaram para as cidades próximas nos últimos meses devido a necessidade de buscar insumos e materiais para caça e pesca para alimentar as aldeias.

Há mais de um mês, quando os primeiros casos de contaminação pelo coronavírus foram confirmados na TI Vale do Javari, a Univaja divulgou uma nota com pedido de socorro listando medidas urgentes para que a doença não avançasse nas aldeias. A OAMI denuncia na nota mais recente que até hoje as barreiras sanitárias não foram montadas nos acessos do território.

“A ausência de barreiras sanitárias na Terra Indígena Vale do Javari aumenta o risco de contágio em nossas comunidades. Desde o mês de março sabemos que o novo coronavírus se aproximava e até hoje não há barreiras sanitárias em nossa TI. A finalização da construção de uma casa de quarentena no rio Quixito só foi anunciada depois que o novo coronavírus entrou em nossas comunidades no médio rio Javari”, denuncia.

Também recentemente a Organização Geral dos Mayuruna (OGM) e a Organización del Pueblo Matsés, duas organizações do povo Matses no Brasil e no Peru, divulgaram uma carta exigindo medidas preventivas e de combate para enfrentar a doença do novo coronavírus, Covid-19, em seu território que abrange a Terra Indígena Vale do Javari no Brasil e territórios no Peru.

Segundo a Agência Amazônia Real a Terra Indígena Vale do Javari já acumula mais de 100 casos positivos de Covid-19. As organizações indígenas de diversos povos tem exigido medidas do governo federal até o momento sem respostas.