Foto: Ibama/divulgação

Operação destrói 60 balsas de garimpo ilegal na TI Vale do Javari

Após uma série de denúncias, o Ministério Público Federal no Amazonas (MPF-AM) articulou com a Polícia Federal, a Fundação Nacional do Índio (Funai) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) uma ação que destruiu 60 balsas de garimpo ilegal que operavam próximas a índios isolados na Terra Indígena (TI) Vale do Javari, no extremo oeste do estado do Amazonas, zona fronteiriça com o Peru.

Alguns meses atrás a Associação dos Kanamari do Vale do Javari (Akavaja) tornou pública uma denuncia da atuação do garimpo próxima à aldeia Jarinal, no alto curso do rio Jutaí, na Terra Indígena Vale do Javari. Segundo a denúncia, pelo menos 10 balsas estavam instaladas no interior da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Cujubim, próximo à aldeia e aos limites da TI Vale do Javari. Os Kanamari relatam tentativas de aliciamento por parte dos garimpeiros, que estariam prometendo melhorias na aldeia em troca da permissão para o garimpo ilegal no interior da TI.

A operação que destruiu as 60 balsas foi chamada de Operação Korubo, em referência a um dos povos indígenas isolados que vivem na região. Além dos isolados, as invasões de garimpeiros na região da Terra Indígena Vale do Javari tem ameaçado as comunidades de outros povos já contatados, dentre eles os Tyohom-dyapa, povo de recente contato que nas últimas décadas sofreu um forte decrescimento populacional por um histórico de doenças e conflitos.

Em 2017, após denúncias de que garimpeiros teriam massacrado um grupo de indígenas isolados no rio Jandiatuba, foi constatada a operação de balsas de garimpo no setor da TI Vale do Javari onde o Estado brasileiro registra o maior número de referências confirmadas de indígenas em isolamento nesta terra indígena. Ainda que o suposto massacre não tenha sido confirmado, após expedição realizada pela FUNAI e investigações conduzidas pelo MPF e Polícia Federal, a persistência dos garimpeiros em avançar sobre a TI Vale do Javari é extremamente preocupante.

O Vale do Javari abriga o conjunto mais expressivo de povos/grupos indígenas isolados de que se tem conhecimento em uma mesma terra indígena e seu entorno no Brasil. Segundo dados da Funai de 2017, são 16 registros de indígenas isolados, dois deles fora da área demarcada, o que corresponde a 14% dos 114 registros de índios isolados no país computados pelo Estado brasileiro. Destes registros, 10 são referências confirmadas (36% do total de referências confirmadas no país), 3 são referências em estudo (12% do total  de registros nessa categoria) e 3 são registros categorizados como informações (5%  do total de registros nessa categoria).