V Assembleia dos Povos Indígenas do Vale do Javari discute retrocessos na política indigenista do Estado brasileiro e impactos sobre seus territórios 

Reunidos entre os dias 27 e 30 de março na aldeia Nova Esperança, durante a V Assembléia Geral dos Povos Indígenas do Vale do Javari, lideranças Kanamari, Kulina, Marubo, Matis e Matsés (também conhecidos como Mayoruna) manifestaram em carta sua preocupação com o acirramento dos ataques aos direitos dos povos indígenas no atual contexto político do Estado brasileiro.
O pronunciamento destaca o processo de fragilização da política indigenista e da Fundação Nacional do Índio – Funai, por meio de cortes orçamentários, cortes de pessoal e de Coordenações Técnicas Locais promovido pelo governo Michel Temer. Segundo a carta, o caráter “declaradamente anti-indígena” do governo Temer também é comprovado pela nomeação de Osmar Serraglio para o Ministério da Justiça, favorecendo o setor ruralista. Antes de ocupar a pasta o então deputado foi relator da PEC 215 na Câmara dos Deputados, matéria duramente rechaçada pelos povos indígenas em todo o Brasil.
Os povos indígenas do Vale do Javari denunciam que o desmonte da política indigenista tem contribuído para o aumento de invasões à Terra indígena Vale do Javari, inclusive em áreas ocupadas por povos isolados e de recente contato. Além disso, tem se verificado avanço do desmatamento no vale do Juruá, atingindo trechos da porção sul da TI Vale do Javari.
E fazem um apelo aos aliados e parceiros para que ajudem os povos indígenas do Vale do Javari em suas mobilizações e na divulgação da situação que têm enfrentado para órgãos de Direitos Humanos nacionais e internacionais, como a ONU e a Corte Interamericana de Direitos Humanos: “estamos sofrendo com o ataque aos nossos direitos pelo Estado brasileiro, e sentimos que estamos sem futuro, caso a sociedade não tome providências”.
Assinam a carta a União dos Povos Indígenas do Vale do Javari – UNIVAJA e suas organizações de base: Associação Marúbo de São Sebastião – AMAS, Organização Geral dos Mayuruna – OGM, Associação Kanamary do Vale do Javari – AKAVAJA, Associação de Desenvolvimentos Comunitário do Alto Rio Curuçá – ASDEC, Associação Mayuruna do Alto Jaquirana – AMAJA, Organização das Aldeias Marúbo do Rio Ituí – OAMI, Associação Indígena Matís – AIMA, Associação Indígena Kulina do Vale do Javari – AIKUVAJA.
Leia aqui a carta final da assembléia:

carta-final

 

 

Deixe um comentário

Os comentários enviados às matérias aqui veiculadas serão publicados levando em conta a relevância para as discussões às quais elas se propõem. A responsabilidade sobre cada comentário é de exclusividade do autor e não representa posição do Centro de Trabalho Indigenista. Por esse motivo, incentivamos a identificação dos autores. São bem-vindas colaborações críticas que enriqueçam o debate. Agressões, insultos ou declarações de cunho preconceituoso não serão aceitos.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *